Menu Principal

terça-feira, 12 de julho de 2016

Quando visitaremos outra galáxia?

O astrofísico mais conhecido da atualidade fez uma impressionante palestra onde nos mostra nosso lugar no universo e em quanto tempo seríamos capazes de visitar outra galáxia.



Confira primeiramente a palestra do Neil deGrasse Tyson​ numa linguagem simples e interessante sobre os fatos do universo que nem sempre estão ao nosso alcance e depois mais informações interessantes acerca de nosso universo.


Para começar, eis a palestra do Neil, que é muito interessante:



Após essas explicitações, vamos conhecer mais um pouco do universo em que vivemos.

Via Láctea
Um pouco da Via Láctea vista a partir do Deserto do Atacama.
Nosso lugar no Universo:

Para se ter uma pequena noção das distâncias, imagine que estivéssemos nos locomovendo na velocidade de um ônibus convencional. Para isso demoraríamos:

– 16 dias para chegar até a Lua;
– 17 anos para chegar até o Sol;
– Mais de 680 anos para chegar até os confins do Sistema Solar.

Nossa nave espacial.
Se subíssemos em uma nave espacial que viaja na velocidade da luz [300.000 km/s], demoraríamos:

Pouco mais de 1 segundo para chegar a Lua;
- 8 minutos e 18 segundos para chegar ao Sol;
- 5 horas e 30 minutos para chegar a borda do Sistema Solar;
- 4 anos e 4 meses para chegar a Alfa Centauro, a estrela mais próxima de nós;
- 27 mil anos para chegar ao Centro de nossa Via Láctea [Para se ter uma ideia, demoraríamos 100 mil anos para percorrer a Via Láctea de ponta a ponta];
- e finalmente, para alcançar a Galáxia mais próxima de nós: Andrômeda - seriam necessários 2,3 milhões de naos seguindo na velocidade da luz com essa nave.


Galáxia de Andrômeda.
A galáxia de Andrômeda vista sobre os Alpes Italianos.
Continuando:

- Para chegar ao aglomerado de Galáxias de Virgem, ao qual a Via Láctea faz parte junto com outras 26 galáxias seriam necessários 60 milhões de anos na velocidade da luz.


E continuando ainda mais, para chegarmos ao começo do universo visível demoraríamos 13,7 bilhões de anos. 



Universo Observável.
Outras galáxias interessantes pelo universo:

UDFy-38135539: Essa é a galáxia mais distante do universo em relação à terra. Está a 13,1 bilhões de anos-luz.
Essa é a Galáxia M83, uma das mais brilhantes que podem ser vistas no céu noturno.
A NGC 4826 está a uma distância de 17 milhões de anos luz, é circulada por poeira escura ao redor de seu núcleo brilhante e o mais impressionante é que o gás interestelar na região exterior da galáxia gira de forma oposta ao gás e as estrelas da região interior.
A Galáxia NGC 4594 possui um núcleo brilhante rodeado por um disco achatado de material escuro, que fica a 28 milhões de anos luz de distância. 
A Galáxia IC 1101 é a maior conhecida atualmente e tem um diâmetro de cerca de 6 milhões de anos-luz, o que seria cerca de 50 vezes o tamanho da Via Láctea.
No centro da Galáxia M87 encontra-se um dos maiores buracos negros supermassivos que se tem conhecimento, com 6,4 bilhões de massas solares. Essa galáxia emite grande quantidade de ondas de rádio, possui mais de um trilhão de estrelas e é a mais brilhante galáxia do aglomerado a que pertence, o Aglomerado de Virgem.
Algumas curiosidades sobre a Via Láctea:

Braço de Orion
A Via Láctea é uma Galáxia espiral barrada, um dos tipos de Galáxias mais comuns do universo.


Existe um buraco negro supermassivo que possui cerca de 200.000 vezes a massa do Sol no Centro da Via Láctea. Além de ser um buraco gigante, esse centro também é o local de uma enorme quantidade de atividade de estrelas que estão a nascer e a morrer em um ciclo constante.


Acredita-se que haja entre 100 e 200 bilhões de planetas na Via Láctea, sendo ao menos um para cada estrela, talvez até mais. E desses, estimasse que exista entre 11 mil e 40 milhões de planetas com características semelhantes a Terra, isto é, dentro da lendária "Zona habitável".

Eis alguns planetas razoavelmente semelhantes a Terra já encontrados pela Ciência atual:

O Planeta Kepler-452b está a 1.400 anos luz da Terra e possui massa cerca de 60% maior que a da Terra.
Catálogo mostrando potenciais planetas habitáveis já encontrados pela Ciência.
A órbita do nosso sistema solar em torno do buraco negro super massivo no centro da galáxia dura 250 milhões de anos, em outras palavras, nós fizemos cerca de um quarto de uma única órbita desde que os dinossauros morreram.



O que mudaria com essa nova tecnologia?


Vamos analisar com mais calma para saber o que mudaria caso a humanidade adquirisse essa capacidade da dobra espacial:

- Seríamos capazes de observar o passado e poderíamos descobrir todos os seus segredos escondidos. Saberíamos com certeza absoluta como foi a origem do Sistema Solar, a formação da Lua, o que aconteceu com Marte para ficar como ela é nos dias de hoje e como ela era no passado.

- Observaríamos como foi o momento em que os dinossauros foram extintos, saberíamos o que aconteceu com a civilização maia e como Machu Picchu foi abandonada e ainda seríamos capazes de redescobrir conhecimentos e tecnologias antigas que foram perdidas com o temo, como a construção das grandes pirâmides de Gizé e quem sabe até poderíamos descobrir como Nostradamus fazia suas incríveis previsões do futuro e muito mais.


Extinção dos Dinossauros nos primórdios da vida na Terra.
- Teríamos agora uma amplitude infinita de lugares, coisas, novos materiais e conhecimentos para explorar e ainda poderíamos topar com outras civilizações, sejam elas amigáveis ou não com nós seres humanos.



- Os humanos finalmente seriam capazes de colonizar outros planetas do universo e assim nos espalharíamos pelas estrelas desse universo infinito.



- E por incrível que pareça, após adquirir essa tecnologia e sermos donos do presente e do passado, ainda assim seríamos incapazes de prever o futuro com ela, pois viajar pelo espaço é sinônimo de abrir uma janela para o passado, e não para o futuro. Entenda melhor com o diagrama abaixo.





Clique em alguma das coleções abaixo para conhecer outras postagens do blog:





Antes de terminar, estou cravando aqui nesse blog as palavras de Neil deGrasse Tyson, esse astrofísico tão impressionante:

As pessoas dizem: "queremos o uso pacífico do espaço, no espaço, não queremos guerras". E eu acho que isso é completamente irrealista e imaturo. Eu acho que teremos muitas guerras no espaço, sabem por quê? Porque já temos guerras aqui na Terra!  Se descobrir uma maneira de não ter guerras no espaço, então porque não aplicá-la aqui na Terra? Porque é preciso ir ao espaço para não se matarem uns aos outros? Faça isso aqui. E então teremos confiança de que poderemos ir ao espaço a qualquer galáxia!"  

E para fechar com chave de ouro vale a pena saber de uma curiosidade bem interessante:

- Conhecer planetas, estrelas e galáxias distantes será o mesmo que rumar para o desconhecido, pois, mesmo que sejamos capazes de vê-los como foram a 1.000 anos atrás [ou mais, dependendo de nossa distância em relação ao lugar], só saberemos realmente como está a situação do lugar quando chegarmos lá. O que tornará essa aventura ainda mais emocionante.

A aventura da humanidade está apenas começando...


Boa sorte!

Fontes Pesquisadas:

- Motivos que fazem estrangeiros detestarem o Brasil que irão irritá-lo profundamente. Clique AQUI ou na imagem abaixo:



- O Polvo, um animal enigmático e incrível. Clique AQUI ou na imagem abaixo:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Botão Voltar ao Topo