Menu Principal

domingo, 27 de novembro de 2016

Saiba quais são os 10 lugares mais quentes do planeta

No mundo existem alguns lugares tão quentes que a temperatura pode ultrapassar os 40ºC diariamente e ainda podem haver picos de até 60ºC de temperatura.


Esses lugares são secos, desérticos e com temperaturas escaldantes, lugares capazes de fazer até que os mais apaixonados pelo verão e calor possam mudar de ideia!

Para descobrir quais são esses lugares, assista ao vídeo abaixo, do canal Mj Tutors & Games:



E para ficar ainda mais completo, saiba mais um pouco sobre cada um desses lugares:

10) Ghadames, Líbia



A cidade é dividida em duas partes: a antiga e a nova. Ghadames tem pouco mais de 15 mil habitantes e já chegou a registrar temperaturas de 55ºC. Além de ter sido declarada Patrimônio Mundial pela Unesco, uma das principais atrações do local é o lago com água salgada que a circunda por cerca de 20 km, no distrito de Nalut, a sudoeste de Trípoli, próximo às fronteiras com a Argélia e a Tunísia.

9) Kebili, Tunísia




A cidade localizada no sul da Tunísia e capital da província homônima já chegou a registrar picos de 55ºC. Também pudera, já que a região fica à beira de um oásis no deserto do Saara, a noroeste do Chott el Jerid e a nordeste do Chott el Fejaj. Com cerca de 100 mil tamareiras, é um dos principais centros comerciais da região.

8) Turfan, China




Possuindo um calor de mais de 50ºC, a área fica a noroeste da província chinesa de Xinjiang e é repleta de templos budistas em meio à paisagem desértica. O lugar, que também é um importante centro de comércio, é ainda conhecido como Tulufan. O oásis fértil é rodeado por montanhas, inclusive pelo vulcão Turfan.

7) Queesland, Austrália



O clima de Queensland é essencialmente tropical e permite a existência vastas florestas tropicais e mangais junto à costa. O interior é seco e semidesértico. Graças ao seu clima e grande extensão de costa, Queensland é um destino bastante apreciado por veranistas australianos bem como turistas estrangeiros. As atrações principais do estado são a Grande Barreira de Coral e as ilhas costeiras.

6) Timbuktu, Mali



Timbuktu é uma cidade do centro de Mali, capital da região de mesmo nome. Apesar de não mostrar o esplendor da sua época áurea, no século XIV e estar a ser engolida pela areia do deserto do Saara, ainda tem uma importância tão grande, como depositório de saber, que foi inscrita pela UNESCO, em 1988, na lista do Patrimônio Mundial.

A prestigiosa universidade corânica de Sankoré, donde 50.000 sábios muçulmanos ajudaram a espalhar o Islã através da África Ocidental, ainda funciona, embora com um número mais reduzido: 15.000 estudantes. Tombuctu alberga, ainda, o famoso Instituto Ahmed Baba, com a sua coleção de 20.000 manuscritos árabes antigos, que retratam mais de um milênio de conhecimento científico islâmico e vários madraçais. A cidade tem três mesquitas principais: Djingareyber, construída de barro em 1325, Sankoré et Sidi Yahia.

5) Tirat Tsvi, Israel


Tirat Tsvi é uma cidade pertencente à área de HaZafon, em Israel, sede de um kibutz [clique AQUI para entender o que é um Kibutz] muito importante para a agricultura desse país.

4) Deserto Lut, Irã


O Deserto de Lut, situado na província persa de Kerman [sudeste do Irã] é considerado como um dos pontos mais quentes do globo terrestre. É conhecido em persa como Dasht Lut e é o 25º maior deserto do mundo, com várias características especiais, tanto climáticas quanto geográficas.

A parte oriental desse deserto é um planalto baixo coberto de sais, enquanto o centro vem sendo talhado pelos ventos em uma série de cristas e dunas paralelas, que se estendem ao longo de 150 km e atingem os 75 metros de altura . Esta área também está rodeada por barrancos e colinas. No sudeste está uma vasta extensão de areia, como um enorme deserto, com dunas de mais 300 metros de altura, entre os mais altos do mundo.


3) Vale da Morte, Califórnia, EUA


O Vale da Morte [em inglês: Death Valley] é uma árida depressão localizada ao norte do Deserto de Mojave, nos Estados Unidos, na Califórnia. Estende-se por aproximadamente 225 km, ao longo da fronteira da Califórnia com o estado de Nevada, a aproximadamente 160 km oeste de Las Vegas.


O Vale da Morte é famoso por seu clima extremamente quente. A região recebeu esse nome a partir dos perfuradores e garimpeiros durante a Grande Corrida do Ouro da Califórnia em 1849. Eles relataram o sofrimento que passaram para atravessar a grande depressão do vale a caminho das minas de ouro. Durante a travessia, uma morte foi registrada entre os garimpeiros e o local ficou estigmatizado por suas características extremas e de completo isolamento.



Ao contrário do que seria esperado, essa região possui diversos atrativos e muitos visitantes vêm conhecer o parque devido a suas belezas naturais e preservadas, e o que mais chama a atenção são as "pedras que andam". Numa grande planície, as rochas deixaram rastros com mais de 300 metros e realmente parecem ter se movido sem ajuda nenhuma.

Sempre seguidas de um rastro. A impressão que se tem é que os objetos, que chegam a pesar 300 quilos, passam grande parte do tempo apostando corrida, e na primeira presença humana, resolvem parar.



A explicação científica para esse fato é que a erosão das montanhas ao redor da planície são as responsáveis em fazer as pedras rolarem. Essa rara combinação de ocorrências de chuva, frio e vento fazem com que as pedras se movam sozinhas.

Entre os outros atrativos dessa região temos as ruínas de cidades-fantasmas da época da corrida do ouro, o Castelo Scotty, cânions e o Salar Badwater, localizado 85 metros abaixo do nível do mar.


2) Wadi Halfa, Sudão


Wadi Halfa é uma cidade localizada no centro do Deserto do Saara. O ar dessa região subtropical tem forte influência na região vizinha, produzindo um ar seco e extremamente quente e desértico.

1) Dallol, Etiópia



O lugar mais escaldante do mundo é tão estranho que até parece ser de outro planeta, assemelhando-se mais ao Satélite Io de Júpiter do que a outros lugares terrestres. É um local extremo de clima desértico. Sua temperatura média anual beira os 41ºC e o mês mais quente tem média superior de 46,4ºC. Apesar disso, tem níveis altos de umidade relativa, cerca de 60%, o que resulta em uma sensação térmica insuportável aos seres humanos.

É nesse lugar que fica a cratera vulcânica Dallol, pouco conhecida e raramente visitada, mas extraordinária. Essa paisagem única é formada por montanhas de sal e enxofre, gêiseres de gases venenosos e pequenas piscinas de ácidos coloridas.



Golpes políticos, revoltas, seca e fome na Etiópia colocaram Dallol fora do mapa do turismo por muito tempo. A área não era aberta à estrangeiros até 2001 e até hoje o local não é muito seguro. Quem visita a região ainda corre o perigo de virar refém em Ahmed Ela, a aldeia mais próxima ao vulcão.


Se tiver gostado e quiser ver mais postagens dessa mesma Coleção, clique no álbum abaixo:


Ou então nesse mapinha, que te levará a uma espécie de índice onde estão citados todos os destinos do Blog:


E você? Será que conseguiria encarar o desafio de visitar ou viver em algum desses lugares?


Boa sorte e até a próxima!


Não deixe de ver também:

- Os efeitos das alterações climáticas que já notamos. Clique AQUI ou na imagem abaixo:


- Conheça os 10 esportes que mais matam no mundo. Clique AQUI ou na imagem abaixo:


- As 20 ilhas mais cabulosas do mundo. Clique AQUI ou na imagem abaixo:


- Conheça melhor 3 países do Oriente Médio. Clique AQUI ou na imagem abaixo:


2 comentários:

  1. Quem fez essa matéria devia visitar MANAUS capital do AMAZÔNAS no BRASIL !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está na minha lista para visitar no futuro. Espero que até lá não tenham desmatado tudo! - Pretendo fazer um passeio em um hotel de selva, observar alguns jacarés e ver o encontro das águas e se der também conhecer o Festival de Paritins que fica aí pra esses lados.

      Excluir

Botão Voltar ao Topo