Menu Principal

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Campos do Jordão - SP [04 a 08 de Janeiro de 2017] - Parte 7

Essa é a continuação do passeio que fizemos a Campos do Jordão, em São Paulo.


Nesse ponto do relato continuamos com o passeio que fizemos para os Jardins Amantikir, e lá aproveitei até pra fazer um pedido bem especial.

Se tiver caído aqui e desejar ver as outras partes do passeio, basta clicar em um dos botões abaixo:


Continuando com o passeio...

Sábado, 07 de Janeiro de 2017
[Continuação]

Jardim chinês e japonês

Assim que chegamos nessa parte observamos um portal chinês. De acordo com eles quando as pessoas passassem por um lugar assim elas estariam deixando o plano físico e indo para o plano espiritual.




Nele havia basicamente algumas plantas rasteiras e algumas pedras ornamentadas, como esse pássaro, e até mesmo o uma estátua de um dragão.


Passamos por ele bem rápido e já fomos para o Jardim japonês, que chamou mais a nossa atenção.





Na parte japonesa existem menos plantas e mais pedras, porque os antigos acreditavam que as plantas possuíam vida curta e as pedras representavam a longevidade. Quando alguém morria eles chegavam até a acrescentar uma nova pedra em seus jardins, que mais combinava com o comportamento e afinidades do falecido.






Ao sairmos dos jardins entramos numa área de floresta fechada, com o caminho bem mais estreito e às vezes apenas de terra e folhas.

Atravessando a floresta fechada












Andamos um bocadinho, até chegar naquela casa da árvore próxima da entrada. E continuamos andando mais um pouco, até avistar um lago com dois peixes chamados de Carpas.





De acordo com o guia eles estavam fazendo um teste e por isso mantiveram apenas duas Carpas nesse lago, caso desse certo colocariam outros peixes, assim evitariam o risco de perder muitos animais caso eles não conseguissem coexistir com essas plantas.

Estufa

Agora começamos a chegar perto de uma estufa cheia de plantas.


Algo que se destacou bastante no ambiente foi uma árvore enorme que conseguimos avistar.




Olhando assim ela não parece grande, mas observando a vista aérea da região, que é surpreendente, percebemos que essa construção é bem grande sim.


Nesse ponto do passeio estávamos nessa construção laranja [que está na parte à esquerda da foto]. Aqui outro jardineiro nos mostrou várias flores e também explicou muita coisa sobre várias delas.


















Andando pelo Labirinto

E finalmente, quase no final do passeio com o guia, passamos novamente por aquele labirinto que tínhamos avistado antes, só que dessa vez fomos por dentro dele.



Vendo por fora pode não parecer, mas esse labirinto era muito grande e os arbustos são muito altos, o que não contribui nada para achar o local da saída.






O que mais vimos foram outros turistas parados e perdidos durante o percurso. Mas depois de andar bastante, dar voltas e mais voltas conseguimos sair dali.



Quando conseguimos sair o pessoal ficou parado e bem disperso, então perguntei ao guia se já estávamos liberados do tour e ele disse que sim. 

Pedido de Casamento

Então pedi para a Lu que voltássemos a área da pontinha, que eu iria dar um presente pra ela. Ela não desconfiou de nada e fomos pra lá rapidamente, tirando mais algumas poucas fotos pelo caminho.



Depois de procurar um pouco chegamos na área da ponte, que nessa hora estava vazia.


Subimos nela, e como o céu estava muito claro e o sol bem forte pedi que tirasse sua sombrinha amarela e que ela fechasse e os olhos. E após isso disse assim: "Lu, quer casar comigo?".


A Luciana ficou bem surpresa e perplexa, e acenou com a cabeça que sim e dei a aliança pra ela e coloquei a minha. Uma moça loira vestida de escoteiro que estava passando por ali viu a cena e aproveitou para nos ajudar a registrá-la melhor.



Em algumas das vezes que conversamos a Luciana havia dito que gostaria de receber seu pedido de casamento num lugar cheio de flores. Ela gostaria de ser levada vendada até o local e toparia com essa surpresa. Fazer isso pra mim seria bem difícil [já que não tenho carro e não existe nenhum jardim legal como esse nas nossas proximidades de onde nós moramos].

E como eu queria manter a surpresa durante toda a viagem para esse momento fiz tudo do meu jeito, o que ficou um pouco diferente do que ela sonhava, mas ao que parece tudo deu certo e ela gostou muito.

Voltando para Campos do Jordão

Como conseguimos fazer tudo o que precisava faltando pouco mais de meia hora pra estourar nosso tempo, resolvemos voltar para a entrada novamente, ali vimos algo bem legal.


O centro desse círculo também seria outro local muito bom para se pedir alguém em casamento, mas ele se destacava demais e não tinha reparado nele aí antes. Ao chegar na entrada comprei meu Souvenir do Amantikir e a Lu rodou um pouco pela loja, mas não quis comprar nada.


E ficamos numa área ao lado [uma espécie de varanda com mesinhas para os clientes] conversando com outras pessoas de nossa excursão que já haviam terminado o passeio. E dado a hora voltamos para nosso ônibus.


O pessoal ficou um pouco agitado porque um cachorro de grande porte tinha entrado no ônibus, mas depois de algum tempinho ele saiu ali e foi buscar seu verdadeiro dono

Não consegui registrar praticamente nada do caminho de volta porque deu um pau geral na minha câmera [aquela estratégia de desligar e ligar de novo não deu certo] e a máquina ficou com um erro constante de memória, falando que não enxergava o cartão.

Quando todo mundo que precisava se reuniu, partimos dali, rumo a Campos do Jordão novamente.


Clique no Botão abaixo para ver a próxima parte do relato:

Clicar: [PARTE 08]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Botão Voltar ao Topo