Menu Principal

terça-feira, 11 de julho de 2017

Viajando pelo Sistema Solar: Marte

Enfim, deixamos para trás nosso planeta natal e seguimos para o próximo.


Dessa vez desbravaremos Marte, o Planeta Vermelho.

- Marte -

Distância da Terra: 227,9 milhões de km.

Marte é o quarto planeta a partir do Sol e é o segundo menor do Sistema Solar. Foi batizado em homenagem ao deus romano da Guerra, Marte, e também muitas vezes é descrito como o "Planeta Vermelho", porque o óxido de ferro predominante em sua superfície lhe dá uma aparência avermelhada. Talvez seja o planeta que mais tenha despertado a curiosidade do público geral e dos astrônomos, a avaliar pelas tantas missões espaciais que lhe são dirigidas. A distância de Marte em relação ao Sol varia de 249,2 milhões de km no ponto mais distante e 206,6 milhões de km, no ponto mais próximo. Marte orbita o Sol com uma velocidade média de 24,08 km/s.

Monte Olimpo, a maior montanha e vulcão do Sistema Solar, com 27 km de altura.
Panorama da cratera Gusev, onde o Spirit analisou basaltos vulcânicos.
Valles Marineris, em Marte.
É um planeta rochoso com uma atmosfera fina, com uma superfície que lembram tanto as crateras de impacto da Lua quanto vulcões, vales, desertos e calotas polares da Terra. O período de rotação e os ciclos sazonais de Marte são também semelhantes aos da Terra, assim como é a inclinação que produz as suas estações do ano. Marte é o lar do Monte Olimpo, a segunda montanha mais alta conhecida no Sistema Solar (a mais alta em um planeta), e do Valles Marineris, um desfiladeiro gigantesco. Marte tem duas luas conhecidas, Fobos e Deimos, que são pequenas e de forma irregular, podendo ser asteroides capturados.

Sua atmosfera é formada de elementos tais como: gás carbônico, nitrogênio, argônio e oxigênio. As durações das estações marcianas são cerca de duas vezes as da Terra, já que Marte está a uma maior distância do Sol, o que leva o ano marciano a ser equivalente a cerca de dois anos terrestres em duração. As temperaturas da superfície de Marte variam de -143°C (no inverno nas calotas polares) para máximos de até 35°C (no verão equatorial). A ampla variedade de temperaturas é devido a fina atmosfera que não consegue armazenar muito calor solar, a baixa pressão atmosférica e a baixa inércia térmica do solo marciano. Os dias marcianos duram 24h36min e o ano tem duração de 687 dias terranos.


Para não ficarmos apenas no falatório e no blá-blá-blá, coloquei um vídeo bem interessante sobre algumas curiosidades de Marte. Apesar de estar em espanhol a linguagem é bem fácil e simples de entender.


O interior de Marte é conhecido apenas por dedução a partir de dados acerca da superfície e pelas estatísticas do planeta. O cenário mais provável é ter um núcleo denso com cerca de 1700 km de raio, um manto rochoso derretido um pouco mais denso que o da Terra e uma crosta fina. Dados da Mars Global Surveyor indicam que a crosta de Marte tem cerca de 80 km de espessura no hemisfério sul ,mas apenas 35 km no norte. A baixa densidade de Marte quando comparada com os outros planetas terrestres indica que o seu núcleo provavelmente contém uma relativamente grande fracção de enxofre, além de ferro (ferro e sulfureto de ferro).


Tal como Mercúrio e a Lua, Marte parece não ter placas tectônicas ativas no presente; não existem provas de movimento horizontal recente na superfície, tal como as montanhas dobradas tão comuns na Terra. Com nenhum movimento de placas horizontal, os "pontos quentes" debaixo da crosta ficam numa posição fixa relativamente à superfície. Isto, em conjunto com a baixa gravidade à superfície, pode explicar a existência da proeminência de Tharsis e os seus enormes vulcões. No entanto, não existem evidências de atividade vulcânica presente. Mas existem novos dados da Mars Global Surveyor que indicam que Marte possa ter tido atividade tectônica no seu passado recente, o que faz com que as comparações com a Terra sejam mais interessantes!

Existe um claro indício de erosão em muitos lugares de Marte, incluindo grandes inundações e pequenos sistemas de rios. A uma dada altura no passado, houve claramente uma espécie de fluido na superfície. Entretanto, parece que isso aconteceu brevemente e há muito tempo atrás. A idade dos canais de erosão é estimada em cerca de 4 bilhões de anos (Valles Marineris não foi criada a partir de água corrente. Foi formado a partir de esticões e falhas da crosta associadas com a criação da proeminência de Tharsis).

Os cientistas encontraram evidencias que apontam que Marte já teve um antigo oceano.
Acredita-se que as manchas escuras observadas na superfície de Marte possam estar ligadas à existência de água corrente durante o verão do planeta. "Essas manchas se formam no fim da primavera, aumentam no verão e somem no outono. Por 40 anos, não pudemos explicar por que elas existiam, afirma um cientista". "Marte sofreu uma enorme mudança climática e perdeu sua água. Mas há muito mais umidade no ar do que jamais havíamos imaginado."

Dados do satélite Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) mostram que as linhas escuras, que aparecem em declives marcianos, estão associadas a depósitos de sal, que podem alterar os pontos de congelamento e evaporação da água, fazendo com que ela fique líquida por tempo suficiente para se mover. Sem isso, a água congelaria nas baixas temperaturas do planeta.

Até esse momento, pelos planetas em que passamos, a exceção da Terra ainda não tínhamos citado sobre colonização e exploração, se você chegou a pensar nisso, saiba que Marte é um excelente candidato para ser o próximo planeta habitado pelo homem, por isso, estarei colocando abaixo mais dois vídeos interessantes [um curto, para quem deseja apenas ter uma pequena noção de como o homem poderia estar colonizando esse planeta e uma matéria bem completa, composta de um vídeo que dura cerca de meia hora].

Vídeo Curto:


Matéria Completa:

Abaixo deixei o vídeo do Matéria de Capa contando como os cientistas pretendem colonizar o Planeta Vermelho.


Veja como é o mapa de Marte:


E agora mais algumas curiosidades sobre esse planeta.


- Em Marte, o pôr-do-Sol é cor-de-rosa. A cor é principalmente devida à ferrugem: o ferro oxidado do pó marciano circula pela atmosfera marciana. Imagem registada pela Pathfinder.

- Marte é sem dúvidas o Planeta que mais recebeu visitantes robóticos enviados da Terra.


- A grande cratera Schiaparelli perto do centro da imagem da esquerda foi provavelmente provocada por uma colisão com um objeto do tamanho de um asteroide. Também evidente neste mosaico de Marte as numerosas crateras de muitos outros impactos com objetos mais pequenos ao longo de bilhões de anos. No canto inferior direito, dióxido de carbono branco pode ser visto na bacia Hellas. O gelo forma-se devido às temperaturas, que podem descer até aos -140º C em Marte. Algumas regiões marcianas, no entanto, podem chegar aos 20º C - a temperatura ambiente de uma sala aqui na Terra. Crédito: NASA, Viking, USGS

- As tempestades de areia em Marte podem durar meses. Na imagem abaixo temos duas fotos de Marte registadas pelo Hubble em que mostra um Marte calmo à esquerda e o resultado de uma poderosa tempestade dois meses depois. Note a ausência de quase todas as caracterísitcas da superfície.



- Por todo o lado há rochas, no chão da cratera Gusev, local de aterragem do rover Spirit. Depois de revelar detalhes espectacules e sem precedentes de uma planície que se pensa que tenha sido um leito de um rio, esta imagem representa apenas uma pequena fracção dos dados que os cientistas recebem. O local de aterragem foi renomeado Columbia em honra dos astronautas que perderam a sua vida no acidente do vaivém Columbia.

- Em 1877, o astrônomo Giovanni Schiaparelli, observou e desenhou um mapa de Marte onde constavam uma complicada rede de linhas retas que cruzavam a superfície de Marte. Essas estranhas linhas já tinham sido observadas por alguns astrónomos, mas foi este astrônomo italiano quem mostrou um desenho de Marte feito pelo próprio. Schiaparelli chamou a essas linhas de "canalis", que significa "leitos de rio" ou "sulcos", mas foi traduzido para o inglês com o termo "canals" que significa canais feitos de forma artificial. Especulava-se sobre a possibilidade de esses canais serem a prova da existência de vida inteligente em Marte. Essa teoria apaixonou as pessoas, fez gerar muitos debates e especulações, invadiu os cinemas e fez com que muitos tivessem esperança desse planeta habitado por marcianos, mas hoje se sabe que essa teoria não está correta.

Veja o vídeo abaixo para avistar os canais marcianos:


Luas de Marte:

Fobos
Deimos
Fobos é uma das duas luas de Marte. É a maior e a mais próxima lua de Marte. Com um raio médio de 11,1 km, Fobos é 7,4 vezes mais massivo que que a outra lua marciana Deimos. Seu nome vem da Grécia antiga e significa medo. Na mitologia grega, Fobos era filho de Ares (Marte na mitologia romana) e Afrodite. Fobos é, em todo o Sistema Solar, o satélite que orbita mais próximo do planeta-mãe: menos de seis mil quilômetros acima da superfície marciana. Encontra-se, por isso, abaixo da órbita síncrona para Marte.

Por esse motivo, a sua órbita vai descendo a um ritmo de 1,8 m por século. Assim, dentro de 50 milhões de anos pode ocorrer uma de duas coisas: ou Fobos se despenha sobre Marte ou, o que é mais provável, antes que isso aconteça as forças gravitacionais destruirão o satélite criando um anel à volta de Marte. Também por conta de sua proximidade, ela orbita mais rápido do que a rotação marciana, o que a fazer "nascer" e se pôr três vezes por dia. Os astrônomos supõem que o satélite era provavelmente um asteroide que foi capturado pela força de gravidade do planeta. Uma curiosidade a respeito de Fobos, é que não pode ser visto do extremo norte nem do extremo sul de Marte porque sua órbita é alinhada à Linha do Equador

Deimos, que em grego significa Pânico, vem de uma figura mitológica grega e é um dos três filhos de Ares (Marte na mitologia romana) e Afrodite. Essa é a menor e mais afastada das duas luas de Marte. É, também, a menor lua reconhecida do Sistema Solar. Deimos tem um raio médio de 6.2 km e uma velocidade de escape de 5.6 m/s (20 km/h). Além disso, a lua leva 30.3 horas para girar em torno de Marte com uma velocidade orbital de 1.35 km/s. Deimos demora o mesmo tempo a completar uma volta ao redor de Marte, quanto a completar uma volta sobre si próprio. Como consequência disso, Deimos tem sempre a mesma face voltado para Marte.

A lua foi descoberta – juntamente com Fobos, o outro satélite de Marte – em agosto de 1877 por Asaph Hall e fotografado pela Viking 1 em 1977. Deimos tem um formato bastante irregular e acredita-se que se trate de um asteroide que foi perturbado de sua órbita por Júpiter e que acabou por ser capturado pela gravidade de Marte, passando a ser seu satélite.

Esperamos que ao desbravar Marte ter uma vista como essa mostrada abaixo:

Desbravando Marte
Fontes Pesquisadas:

Marte
http://www.siteastronomia.com/planeta-marte
https://pt.wikipedia.org/wiki/Marte_(planeta)
https://pt.wikibooks.org/wiki/Astronomia/Marte
http://www.suapesquisa.com/marte/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Marte_(planeta)
http://www.ccvalg.pt/astronomia/sistema_solar/marte.htm
http://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/marte-ja-teve-oceano-com-volume-de-agua-superior-ao-artico-segundo-estudo-da-nasa-15519197
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150928_marte_descobertas_cc
http://www.ccvalg.pt/astronomia/sistema_solar/marte.htm
http://www.ccvalg.pt/astronomia/sistema_solar/marte.htm



Agora seguiremos rumo a Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar, mas antes de chegar nesse destino teremos que passar pelo cinturão de Asteroides.


Para isto, clique na imagem acima ou AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Botão Voltar ao Topo